Blog do Gesner Oliveira

Método usado pelo guru das previsões indica vitória de Temer no plenário

Gesner Oliveira

Independentemente do resultado previsto para a votação da denúncia contra Temer no dia 2 de agosto, já se sabe quem está perdendo: a economia. Enquanto o país não souber com um mínimo de segurança quem será seu presidente nos próximos meses, a recuperação em curso não ganha mais força, condenando cerca de 14 milhões de brasileiros ao desemprego.

Se a votação da denúncia no plenário da Câmara dos Deputados fosse hoje, Temer permaneceria na presidência da República. É o que indica o exercício estatístico elaborado pela consultoria Numbers Care. Estima-se que hoje a oposição teria no máximo 280 votos, número ainda distante dos 342 necessários para levar a denúncia de volta ao STF.

Elaborado pelo estatístico Sérgio Wechsler, o exercício usa o mesmo método usado pelo economista Nate Silver, que ficou famoso nos Estados Unidos por ter acertado o resultado das eleições presidenciais de 2008 e 2012, estado por estado. Nestas ocasiões, Barack Obama venceu respectivamente os republicanos John McCain e Mitt Romney, o que acabou dando o título de “guru” americano das projeções a Silver.

O método é chamado de Bayesiano e, ao contrário dos exercícios estatísticos convencionais, aproveita informações anteriores à amostra, como estudos e pesquisas antecedentes. Isso é importante, pois permite captar melhor a incerteza inerente das pesquisas de voto. Controlando a histórica imprecisão das pesquisas, o modelo pode, por exemplo, dar cerca de 30% de chance de vitória a um candidato que está atrás nas pesquisas de voto.

Outro detalhe importante é que o método Bayesiano calcula a chance de um candidato ganhar ou perder e não a percentagem ou quantidade de votos. No caso da votação da denúncia, o Presidente Temer pode ter 90% de chance de ganhar e a quantidade de votos da oposição ser tanto de 1 quanto de 341. Não interessa se a vitória é apertada ou de lavada, o método olha apenas para as chances de vitória.

Na véspera da eleição americana que deu o cargo de presidente dos EUA a Donald Trump, por exemplo, Nate Silver publicou em seu blog que Hillary tinha mais de 70% de chances de vencer. O resultado caiu nos 30% restantes, o que não era nenhuma zebra.

Para a votação da denúncia no plenário, Wechsler dividiu os deputados em diversos grupos, de acordo com seus partidos. As respostas dos deputados foram colhidas nas enquetes divulgadas na mídia. Através do método Bayesiano, foram então calculadas as probabilidades para o total de votos dos deputados indecisos ou não-respondentes.

Se a votação fosse hoje, o resultado com maior probabilidade de ocorrência seria o de 260 votos da oposição, insuficiente para aprovar a denúncia. Antes que o STF possa decidir se aceita ou não abrir o julgamento contra Temer, o que afastaria o presidente do cargo, são necessários 342 votos para a aprovação na Câmara. Hoje esse cenário parece improvável, mas o Procurador Janot promete novas denúncias e fatos novos podem ocorrer enquanto os parlamentares gozam suas férias. Para captar tais possíveis eventos, as probabilidades do exercício são recalculadas diariamente. Algo recomendável em uma conjuntura tão instável.