Topo
Blog do Gesner Oliveira

Blog do Gesner Oliveira

Categorias

Histórico

Inflação dá uma colher de chá a Campos Neto

Gesner Oliveira

2012-03-20T19:23:44

12/03/2019 23h44

A inflação continua em níveis semicivilizados, abaixo de 4%. Não é Suíça, mas tampouco é Argentina ou Venezuela. Tal patamar contrasta com a inflação de dois dígitos que Ilan Goldfajn pegou na largada de sua gestão no Banco Central. Agora passa o bastão para Roberto Campos Neto, que poderá reduzir a Selic, taxa básica de juros, mais um pouco neste ano.

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial no país, foi de 0,43% em fevereiro, após alta de 0,32% em janeiro. No período de 12 meses encerrado em fevereiro, acumulou alta de 3,89%.

Os vilões de fevereiro foram mensalidades escolares e alimentos: 84% da taxa se deveu a estes itens que tipicamente sobem nesta época do ano. O grupo alimentos aumentou por causa, principalmente, do feijão (52%) e da batata (21%).

O resultado dessas variações está dentro do limite da meta de inflação: 4,25% no ano, com tolerância de 1,5 ponto para cima ou para baixo; a taxa de inflação pode variar, portanto, entre 2,75% e 5,75%. A inflação oficial de 2018 foi de 3,75%, abaixo da meta central de 4,5%. Para 2019, a projeção do mercado está em 3,87%.

Inflação menor é sempre boa notícia, porque significa maior poder de compra  para o trabalhador e para o consumidor. Mas tem mais um ponto fundamental: abre espaço para baixar o custo do dinheiro, isto é, a taxa de juros.

O Banco Central pode baixar os juros. Se a reforma da Previdência for aprovada, pelo menos em primeira votação na Câmara no primeiro semestre, o Banco Central de Roberto Campos Neto pode cogitar corte na taxa Selic em meados de 2019.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Gesner Oliveira é ex-presidente da Sabesp (2006-10), ex-presidente do Cade (1996-2000) e ex-secretário de Acompanhamento Econômico no Ministério da Fazenda (1995) e ex-subsecretário de Política Econômica (1993-95). É doutor em Economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), sócio da GO Associados, professor de economia da FGV-SP e coordenador do grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais da FGV. Foi eleito o economista do ano de 2016 pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).

Sobre o blog

Você entende o que está acontecendo agora na economia? E o impacto que a macroeconomia tem sobre sua vida? Quando o emprego voltará a crescer? Como a economia impacta sobre o meio ambiente? Vale a pena abrir uma franquia? Investir em ações da Petrobras? Este blog se propõe a responder a questões desse tipo de maneira didática, sem economês.