PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Gesner Oliveira

Dá para dizer "Feliz 2018!"

Gesner Oliveira

18/12/2017 15h20

Os dados do IBC-Br divulgados hoje pelo Banco Central reforçam a expectativa de que a expansão do PIB supere 1% em 2017. Houve alta de 0,29% em outubro contra o mês anterior e de 2,92% frente a outubro de 2016. Para 2018, a expectativa da GO Associados é ainda mais otimista, de alta de 3,2% do PIB.

De acordo com o IBC-Br, considerado a prévia do PIB, a economia brasileira abriu o quarto trimestre do ano em crescimento. A alta de 0,29% veio acima das expectativas do mercado, que apontava para uma queda de 0,15% no mês. Quem puxou a alta foi a indústria, com aumento de 0,2% no mês. Varejo e serviços ainda engatinham, com recuos de 0,9% e 0,8% respectivamente.

No relatório Focus também divulgado hoje pelo BC, o mercado revisou para cima as projeções para o PIB deste ano, agora de alta de 0,96%. As expectativas para a inflação em 2017 recuaram pela quarta vez seguida, de 2,88% para 2,83%.

Ao que tudo indica, o adiamento da votação da reforma da Previdência para fevereiro, após as longas férias dos parlamentares, aumentará a incerteza em relação ao comportamento da economia, mas não deve comprometer a recuperação em curso. Ao menos para 2018.

Tal otimismo se baseia na continuidade do cenário externo favorável, que se traduz em farta liquidez internacional, e na possibilidade de melhora do consumo interno e dos investimentos, que têm reagido positivamente à queda da taxa básica de juros e à melhora da confiança. A menor safra agrícola no ano que vem não propiciará a queda nos preços dos alimentos, como a verificada em 2017, mas ainda será a segunda safra recorde; não deve ter impacto expressivo na inflação..

O principal risco para o ano que vem é o fortalecimento de uma candidatura com viés populista, que rejeite a agenda de reformas. Para transformar a recuperação em um crescimento sustentado é preciso arrumar a casa. E há muito o que se feito, a começar pela reforma da Previdência.

Uma brisa de racionalidade atravessa a América Latina. A retomada da economia argentina constitui fator importante para as nossas exportações industriais e para a recuperação do conjunto da economia. É curioso como tendemos a esquecer a importância do Mercosul para a nossa matriz industrial.

O debate civilizado e programático das eleições chilenas deveriam servir de inspiração para as eleições presidenciais brasileiras. Até mesmo pela elegância dos cumprimentos da atual presidente de centro-esquerda Bachelet ao vitorioso candidato da centro direita, Sebastian Piñera. A chamada telefônica se deu do mesmo Palacio de la Moneda bombardeado pelas tropas de Pinochet em outro fatídico 11 de setembro, mas de 1973. Transcorridos mais de quatro décadas, os desafios para aquele país são enormes, mas as feridas da era Pinochet parecem cicatrizar.

É triste o contraste oferecido pela Venezuela de Maduro que amarga uma de suas piores crises desde a independência liderada por Simon Bolívar. Brasil e México, que passam por eleições presidenciais em 2018 precisam se inspirar mais no Chile e menos na Venezuela.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Gesner Oliveira é ex-presidente da Sabesp (2006-10), ex-presidente do Cade (1996-2000) e ex-secretário de Acompanhamento Econômico no Ministério da Fazenda (1995) e ex-subsecretário de Política Econômica (1993-95). É doutor em Economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), sócio da GO Associados, professor de economia da FGV-SP e coordenador do grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais da FGV. Foi eleito o economista do ano de 2016 pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).

Sobre o blog

Você entende o que está acontecendo agora na economia? E o impacto que a macroeconomia tem sobre sua vida? Quando o emprego voltará a crescer? Como a economia impacta sobre o meio ambiente? Vale a pena abrir uma franquia? Investir em ações da Petrobras? Este blog se propõe a responder a questões desse tipo de maneira didática, sem economês.

Gesner Oliveira