Blog do Gesner Oliveira

O ano para a economia começa agora; veja o que pode afetar suas finanças

Gesner Oliveira

O Carnaval terminou para a maioria das pessoas. O ano começa pra valer a partir de agora e afeta a economia. A agenda está repleta de temas macroeconômicos, mas importa saber o que fazer com as economias pessoais. Em tempos de incerteza convém pensar bem onde colocar o dinheiro.

Três temas vão afetar as expectativas e o dia a dia da economia. Primeiro, a votação da reforma da previdência que, se aprovada neste mês, poderia levar a uma maior queda da taxa de juros; e um ganho de confiança dos investidores que geraria forte valorização das ações da bolsa.

Segundo, mais cedo ou mais tarde, o eleitor vai saber quem vai concorrer nas eleições presidenciais e com que chance de vitória. Isso também vai afetar a bolsa e a cotação do dólar.

Terceiro, muita atenção com os juros nos EUA; uma elevação súbita do custo do dinheiro nos EUA jogará as bolsas internacionais e a brasileira para baixo e aumentará o preço do dólar em reais.

A propósito deste último efeito, as bolsas dos EUA estão operando com alta volatilidade nos últimos dias. Hoje não foi diferente. No começo do dia abriram em queda, reagindo negativamente à divulgação de índice de inflação superior ao esperado. Posteriormente, voltaram a subir com uma leitura mais otimista sobre os dados.

Diante de tantas incertezas, é preciso cautela para cuidar bem de suas economias.

A carteira de um investidor conservador deve manter fração considerável em ativos de renda fixa e títulos públicos. Como exemplo, o título mais conservador, o Tesouro Selic, cuja variação diária acompanha a taxa básica de juros da economia brasileira. A velha Selic fixada pelo Comitê de Politica monetária (COPOM) cuja próxima reunião será em 20/21 de março.

Com um pouco mais de risco, o investidor pode aproveitar títulos de médio prazo, atrelado à inflação, que ainda apresentam uma boa remuneração. Como exemplo, um título indexado ao IPCA, com vencimento em 2024, paga uma taxa de 4,73% ao ano mais a inflação. Caso a inflação volte a subir, o investidor estará protegido.

Para os mais agressivos, a recuperação da economia apresenta oportunidades em ações, tanto nas blue chips, as grandes empresas da bolsa, como nas small caps, empresas de baixa capitalização, além de fundos imobiliários.

Em 2017, por exemplo, o índice de ações composto pelas small caps da bolsa brasileira teve o melhor desempenho do mercado financeiro nacional, com retorno de 49,4%, bem acima do Ibovespa, que subiu 26,9%.

A boa notícia é que a atual conjuntura está repleta de oportunidades. É hora de pensar fora da caixa e procurar se informar e se aconselhar com profissionais especializados. Como sempre, não há milagre: bons retornos são acompanhados com maior risco.

Um Feliz Ano Novo para suas economias!