PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Histórico

Categorias

Reforma ministerial de Temer é meio copo cheio, meio copo vazio

Gesner Oliveira

10/04/2018 15h03

A reforma ministerial do Governo Temer motivada pelas eleicões tem aspectos positivos e outros nem tanto.

Do lado positivo, prevaleceram perfis técnicos para a maioria dos cargos mais importantes do ponto de vista da economia.

É o caso do Ministério da Fazenda com Eduardo Guardia, Planejamento com Esteves Colnago; e o BNDES fica com Dyogo Oliveira. Todos profissionais competentes que não vão promover a gastança neste final de governo.

Do lado negativo, a reforma foi feita apenas para permitir que os titulares se desincompatibilizassem para cumprir a legislação eleitoral. O governo perdeu o apetite  reformista depois que  abandonou a reforma da previdência. A orientação parece ser segurar a bola e esperar o tempo passar até outubro quando ocorrem as eleições.

Refeita a nova administração, a equipe que acaba de tomar posse terá o papel de passar a bola no período de transição. Não se espere muito mais do que isso.

É verdade que houve  ruído com o nome de Moreira Franco, ex-secretário executivo do PPI, para a pasta das Minas e Energia, responsável pela privatização da Eletrobras.  Porém, deve-se considerar que é um nome do núcleo do presidente e que eventualmente terá mandato para tocar a  privatização da Eletrobras, que a esta altura do campeonato é vista como uma possibilidade apenas remota.

 No curto prazo, a economia vai bem obrigado. O PIB cresce a um ritmo de 3% e a inflação oficial do país no mês de março ficou em 0,09%, a taxa mais baixa para março desde a criação do Plano Real em 1994. Isso abre espaço para mais uma queda na taxa de juros.

Até a Moody's, uma das grandes agências de classificação de risco passou a perspectiva de avaliação do Brasil de negativa para estável. A nota foi mantida (Ba2), dois degraus abaixo do grau de investimento. Isso diminui a probabilidade de rebaixamento, porém é bom não ficar muito animado. A própria Moody's já reviu de negativa para estável em março de 2017 e depois em maio voltou atrás, parecendo o juiz da final entre Palmeiras e Corinthians.

Mais do que a reforma ministerial, a questão chave é saber se a  administração que assumir em 2019 vai prosseguir no ajuste da economia e tomar as medidas necessárias para equilibrar as contas públicas. Disso dependerá a retomada do crescimento. Esta escolha está nas mãos de sua Excelência, o eleitor.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Gesner Oliveira é ex-presidente da Sabesp (2006-10), ex-presidente do Cade (1996-2000) e ex-secretário de Acompanhamento Econômico no Ministério da Fazenda (1995) e ex-subsecretário de Política Econômica (1993-95). É doutor em Economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), sócio da GO Associados, professor de economia da FGV-SP e coordenador do grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais da FGV. Foi eleito o economista do ano de 2016 pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).

Sobre o blog

Você entende o que está acontecendo agora na economia? E o impacto que a macroeconomia tem sobre sua vida? Quando o emprego voltará a crescer? Como a economia impacta sobre o meio ambiente? Vale a pena abrir uma franquia? Investir em ações da Petrobras? Este blog se propõe a responder a questões desse tipo de maneira didática, sem economês.

Gesner Oliveira