PUBLICIDADE
IPCA
0,21 Jan.2020
Topo

Histórico

Categorias

Liquidação do Banco Neon desafia reputação das fintechs

Gesner Oliveira

04/05/2018 11h06

Liquidação de banco sempre chama atenção. Isso pelo efeito dominó diante de possível pânico em relação a outras instituições que também poderiam também estar com problemas. Assim como um prédio que desaba, o banco pode levar ao desmoronamento de outros.

No caso do Banco Neon, há uma peculiaridade da associação natural que se faz entre a fintech Neon e o banco. A fintech se apresentava ao público como "Banco Neon" e o banco comercial liquidado era acionista minoritário dela. A liquidação pelo Banco Central do Banco Neon terá provável impacto sobre a capacidade de expansão e imagem da fintech Neon.

No caso da liquidação do Banco Neon, não há efeito sistêmico. Isso por dois motivos. Em primeiro lugar, trata-se de uma instituição pequena, cujos efeitos de encadeamento são limitados. Ele detém apenas 0,0038% dos ativos do sistema bancário e é autorizado a operar como banco comercial, possuindo apenas uma agência em território brasileiro.

Em segundo lugar, a situação do sistema bancário brasileiro é sólida, não inspirando desconfiança no mercado. Há vários desafios para melhorar o sistema financeiro e reduzir a taxa de juros, mas felizmente a solvência do sistema não é um problema.

Toda liquidação mostra igualmente a importância de um Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Criado na década de noventa, o FGC é uma entidade privada que funciona como mecanismo de proteção aos correntistas, poupadores e investidores. O fundo permite a recuperação dos depósitos ou dos créditos de até R$ 250 mil por correntista em caso de falência, insolvência ou liquidação extrajudicial.

Resta o desafio de uma regulação inteligente e não burocrática que permita a incorporação de novas tecnologias e maior concorrência no mercado, em benefício dos consumidores.

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Gesner Oliveira é ex-presidente da Sabesp (2006-10), ex-presidente do Cade (1996-2000) e ex-secretário de Acompanhamento Econômico no Ministério da Fazenda (1995) e ex-subsecretário de Política Econômica (1993-95). É doutor em Economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), sócio da GO Associados, professor de economia da FGV-SP e coordenador do grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais da FGV. Foi eleito o economista do ano de 2016 pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).

Sobre o blog

Você entende o que está acontecendo agora na economia? E o impacto que a macroeconomia tem sobre sua vida? Quando o emprego voltará a crescer? Como a economia impacta sobre o meio ambiente? Vale a pena abrir uma franquia? Investir em ações da Petrobras? Este blog se propõe a responder a questões desse tipo de maneira didática, sem economês.

Gesner Oliveira