Topo
Blog do Gesner Oliveira

Blog do Gesner Oliveira

Categorias

Histórico

Sai efeito Bolsonaro, entra efeito Haddad

Gesner Oliveira

25/09/2018 16h49

Bolsonaro lidera as pesquisas, mas deixou de ser favorito para ganhar as eleições. A explicação é simples. Com exceção de Marina, que hoje não teria chance de chegar ao segundo turno, Bolsonaro perde para os demais rivais: Haddad, Ciro e Alckmin.

Parece estranho? Não deveria.

O São Paulo lidera o campeonato brasileiro há sete rodadas, mas não é o favorito (infelizmente) para levar o título nacional deste ano. Segundo o site "Chance de Gol", o tricolor paulista tem cerca de 14% de probabilidade de vencer o campeonato, contra 35% do vice-líder Palmeiras.

O número de pontos acumulados em um campeonato de futebol ou o percentual de intenções de voto em um candidato informam menos do que a probabilidade de vitória de um time ou de um candidato.

O professor Sergio Wechsler, do Instituto de Matemática e Estatística da USP, calculou com exclusividade para a GO Associados as seguintes probabilidades, a partir dos resultados da última pesquisa Ibope para as eleições presidenciais.

Se a eleição fosse realizada hoje, Haddad teria nada menos do que 99,4% de chance de suceder Michel Temer, contra apenas chances irrisórias de Bolsonaro. O que mudou? O fato de Haddad passar a vencer Bolsonaro no segundo turno com relativa facilidade.

É claro que essa avaliação revela um determinado momento da campanha. Ações estratégicas das campanhas podem alterar o quadro. Ou eventos inesperados, como o trágico atentado contra Bolsonaro no passado recente.

A reação do mercado financeiro aos últimos resultados deveria ser negativa, especialmente em dia de crise argentina. Houve sinais de queda da Bolsa e elevação do dólar, mas foram passageiros. Com a ajuda do preço das commodities, o mercado parece se acostumar às súbitas mudanças nos ventos da política.

Sobre o autor

Gesner Oliveira é ex-presidente da Sabesp (2006-10), ex-presidente do Cade (1996-2000) e ex-secretário de Acompanhamento Econômico no Ministério da Fazenda (1995) e ex-subsecretário de Política Econômica (1993-95). É doutor em Economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), sócio da GO Associados, professor de economia da FGV-SP e coordenador do grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais da FGV. Foi eleito o economista do ano de 2016 pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).

Sobre o blog

Você entende o que está acontecendo agora na economia? E o impacto que a macroeconomia tem sobre sua vida? Quando o emprego voltará a crescer? Como a economia impacta sobre o meio ambiente? Vale a pena abrir uma franquia? Investir em ações da Petrobras? Este blog se propõe a responder a questões desse tipo de maneira didática, sem economês.