IPCA
0,51 Nov.2019
Topo
Blog do Gesner Oliveira

Blog do Gesner Oliveira

Categorias

Histórico

Otimismo com a economia, apesar dos desencontros

Gesner Oliveira

07/01/2019 11h04

A primeira semana do governo Bolsonaro foi marcada pelo otimismo diante da orientação liberal da política econômica refletida na posse do presidente e dos ministros. E também por um susto na última quinta-feira (3) à noite e ao longo da sexta (4), quando houve uma série de desencontros entre as declarações do presidente e de sua equipe.

 

Houve confusão em relação a suposto aumento do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), idade mínima para aposentadoria, transação da Boeing com a Embraer e necessidade de compensação pelos incentivos fiscais para Sudam e Sudene (órgãos de desenvolvimento da Amazônia e do Nordeste, respectivamente).

 

A impressão foi a de que a cortina subiu cedo demais, e o elenco ainda não estava totalmente preparado no palco. Mas o público continua disposto a aplaudir a peça.

 

Em qualquer governo, a sequência de desmentidos da sexta-feira geraria enormes problemas e até uma crise. Não é o caso de um governo recém-eleito, com quase 58 milhões de votos e aprovação de mais de dois terços da população. Ainda é tempo de lua de mel. Vale uma ou algumas escorregadas.

 

O susto gerou ruído no mercado, mas não foi suficiente para reverter a alta da Bolsa de Valores e a queda do dólar, especialmente porque o cenário externo esteve favorável. Dois pontos foram decisivos para a Bolsa bater por duas vezes sua máxima histórica nominal: o apoio do PSL à reeleição de Rodrigo Maia à presidência da Câmara dos Deputados, tido como alguém que pode tocar as reformas no Congresso; e a confirmação da manutenção do presidente da Eletrobras.

 

Há duas expectativas para esta semana: anúncio de medidas concretas e não meramente posições de princípio; apresentação bem estruturada, das linhas gerais até os detalhes, de preferência em uma entrevista coletiva com a presença do conjunto da equipe envolvida.

 

Planos que deram certo e que foram aprovados pelo Congresso Nacional foram precedidos por exposições claras e detalhadas, acompanhadas pelas principais estatísticas e cronogramas de implementação. O Plano Real foi um bom exemplo; mais recentemente, também a PEC do teto de gastos (Proposta de Emenda Constitucional nº 241) foi amplamente divulgada. Porta-vozes devidamente autorizados e mandatados em determinados temas também ajudam.

 

Mas o que vai mexer mesmo com a economia é a apresentação de um plano de ação e uma estratégia para a reforma da Previdência. A bola está na marca do pênalti para a equipe econômica bater.

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Gesner Oliveira é ex-presidente da Sabesp (2006-10), ex-presidente do Cade (1996-2000) e ex-secretário de Acompanhamento Econômico no Ministério da Fazenda (1995) e ex-subsecretário de Política Econômica (1993-95). É doutor em Economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), sócio da GO Associados, professor de economia da FGV-SP e coordenador do grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais da FGV. Foi eleito o economista do ano de 2016 pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).

Sobre o blog

Você entende o que está acontecendo agora na economia? E o impacto que a macroeconomia tem sobre sua vida? Quando o emprego voltará a crescer? Como a economia impacta sobre o meio ambiente? Vale a pena abrir uma franquia? Investir em ações da Petrobras? Este blog se propõe a responder a questões desse tipo de maneira didática, sem economês.

Gesner Oliveira