Topo
Blog do Gesner Oliveira

Blog do Gesner Oliveira

Categorias

Histórico

A inflação dos velhinhos e a minha inflação

Gesner Oliveira

15/01/2019 14h43

Poucas vezes na história brasileira os dados de inflação estiveram tão comportados. A última projeção da pesquisa do Banco Central registrou 4,02% para 2019 e 4,0% para 2020, compatíveis com as metas estabelecidas para esses anos.

Mas inflação dentro da meta não quer dizer poder de compra assegurado para todos os grupos e indivíduos da sociedade. Tome-se o exemplo da terceira idade.

O Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia, órgão da Fundação Getulio Vargas) calcula o Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que capta a variação da cesta de consumo de famílias compostas, em sua maior parte, por indivíduos com mais de 60 anos de idade.

Esse indicador apresentou variação de 4,75% em 2018, contra 4,32% do Índice de Preços ao Consumidor Brasil (IPC-BR), calculado pela mesma instituição no mesmo período.

A maior inflação para a terceira idade é explicada pelo peso dos gastos com saúde na cesta dos idosos. Lembre-se de que alguns desses itens registraram taxas de até dois dígitos em 2018, como planos de saúde (10,07%) e médicos e dentistas (9,74%).

Essas faixas etárias gastam cerca de 50% a mais com saúde relativamente às pessoas mais jovens. A chamada inflação da saúde tem crescido mais do que a média por longos períodos no Brasil e em vários países do mundo. Isso reflete um conjunto amplo de fatores, exigindo especial atenção de reguladores e da política pública.

O ponto central é o de que a inflação média reportada com frequência revela pouco acerca de seu poder de compra individual. Este depende da cesta de bens que cada um consome, que pode ser bem diferente daquela utilizada no cálculo da inflação oficial.

Sobre o autor

Gesner Oliveira é ex-presidente da Sabesp (2006-10), ex-presidente do Cade (1996-2000) e ex-secretário de Acompanhamento Econômico no Ministério da Fazenda (1995) e ex-subsecretário de Política Econômica (1993-95). É doutor em Economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), sócio da GO Associados, professor de economia da FGV-SP e coordenador do grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais da FGV. Foi eleito o economista do ano de 2016 pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).

Sobre o blog

Você entende o que está acontecendo agora na economia? E o impacto que a macroeconomia tem sobre sua vida? Quando o emprego voltará a crescer? Como a economia impacta sobre o meio ambiente? Vale a pena abrir uma franquia? Investir em ações da Petrobras? Este blog se propõe a responder a questões desse tipo de maneira didática, sem economês.