Topo
Blog do Gesner Oliveira

Blog do Gesner Oliveira

Categorias

Histórico

Desemprego só cai se recuperação não for "voo da galinha"

Gesner Oliveira

2001-02-20T19:10:59

01/02/2019 10h59

A boa notícia é que a taxa de desemprego continua caindo. A má notícia é que seu nível ainda está muito elevado e dificilmente chegará a um dígito antes de 2020.

A taxa apurada pelo IBGE ((Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) recuou de 11,9% no terceiro trimestre de 2018 para 11,6% no quarto trimestre, atingindo 12,2 milhões de desempregados. Terminou 2018 com 6,1 milhões de desocupados a mais que em 2014, ou 12,8 milhões de pessoas na média do ano.

Estes números ainda subestimam o problema ao não incorporar aqueles que desistiram de procurar emprego chamados de desalentados. E aqueles que gostariam de trabalhar mais horas, mas não conseguem. Somadas todas as categorias subocupadas, chega-se a um número aproximado de 27 milhões de pessoas!

2018 foi o primeiro ano em que a taxa média de desemprego caiu desde 2014, refletindo a recuperação da economia. Mas o mercado de trabalho demora para se ajustar. Em 2014, a economia já ia mal e a taxa de desemprego esteve abaixo de 5%.

Em 2018, com a economia em recuperação, a taxa de desemprego foi elevada, em 12,3%. Este indicador só deverá voltar para um dígito em 2020.

Um reaquecimento da geração de postos de trabalho, e consequente queda mais rápida do desemprego, dependerá da atual recuperação se tornar uma retomada mais consistente do crescimento com aumento do investimento.

As empresas precisam estar seguras de que a retomada não consiste apenas em um voo da galinha para voltar a oferecer oportunidades  aos milhares de brasileiros que a cada ano entram no mercado de trabalho. Para que isso ocorra é necessário que o congresso que inicia uma nova legislatura faça menos politicagem e fisiologia e aprove as reformas que o país precisa.

Sobre o autor

Gesner Oliveira é ex-presidente da Sabesp (2006-10), ex-presidente do Cade (1996-2000) e ex-secretário de Acompanhamento Econômico no Ministério da Fazenda (1995) e ex-subsecretário de Política Econômica (1993-95). É doutor em Economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), sócio da GO Associados, professor de economia da FGV-SP e coordenador do grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais da FGV. Foi eleito o economista do ano de 2016 pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).

Sobre o blog

Você entende o que está acontecendo agora na economia? E o impacto que a macroeconomia tem sobre sua vida? Quando o emprego voltará a crescer? Como a economia impacta sobre o meio ambiente? Vale a pena abrir uma franquia? Investir em ações da Petrobras? Este blog se propõe a responder a questões desse tipo de maneira didática, sem economês.