Topo
Blog do Gesner Oliveira

Blog do Gesner Oliveira

Categorias

Histórico

Inflação baixa: nem sempre o consumidor sente no bolso

Gesner Oliveira

2022-02-20T19:10:27

22/02/2019 10h27

Dados recentes mostram que a inflação do país continua a atingir mínimas históricas e deve ficar  próximo da meta ao longo de 2019. O IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), chamado de prévia da inflação oficial, oscilou 0,34% em fevereiro. Juntamente com o mesmo mês de 2000, a variação foi a menor para um mês de fevereiro desde o início do Plano Real, em 1994.

Nos últimos 12 meses até fevereiro, a variação foi de 3,73%, abaixo dos 3,77% dos 12 meses imediatamente anteriores. São níveis historicamente baixos para o Brasil, em contraste com várias décadas de inflação crônica que culminou com a hiperinflação de 1989/90.

Mas será que o leitor está sentindo os preços crescerem a um ritmo menor? Nem sempre é o caso, pois o índice oficial reflete a média de uma determinada cesta de bens e serviços, que não necessariamente coincide com a do  leitor.

De qualquer forma, chama a atenção a deflação – taxa de inflação negativa – para transportes e vestuário. O preço das passagens aéreas, por exemplo, caiu quase 17%.

Na mesma linha, a expectativa de inflação da FGV (Fundação Getulio Vargas) recuou ao menor patamar desde 2007.

Inflação menor representa menor perda de poder aquisitivo dos assalariados. Índices baixos de inflação podem ajudar a fomentar o consumo e abrir oportunidade para queda dos juros.

A intenção de consumo é a maior para fevereiro em quatro anos, segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo). O cenário de inflação baixa e de queda gradual do desemprego tem permitido recuperação do consumo das famílias nos últimos meses. Além disso, a expectativa da Selic (taxa básica de juros) em nível historicamente baixo, de 6,5%, contribui para melhorar o consumo.

Não se trata de uma explosão do consumo. Longe disso. Ainda falta muito para a economia entrar nos eixos e o consumo crescer de forma sustentada. Acertar as contas públicas, sobretudo por meio da reforma da Previdência, é uma condição necessária, mas não suficiente, para a economia decolar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Gesner Oliveira é ex-presidente da Sabesp (2006-10), ex-presidente do Cade (1996-2000) e ex-secretário de Acompanhamento Econômico no Ministério da Fazenda (1995) e ex-subsecretário de Política Econômica (1993-95). É doutor em Economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), sócio da GO Associados, professor de economia da FGV-SP e coordenador do grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais da FGV. Foi eleito o economista do ano de 2016 pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).

Sobre o blog

Você entende o que está acontecendo agora na economia? E o impacto que a macroeconomia tem sobre sua vida? Quando o emprego voltará a crescer? Como a economia impacta sobre o meio ambiente? Vale a pena abrir uma franquia? Investir em ações da Petrobras? Este blog se propõe a responder a questões desse tipo de maneira didática, sem economês.